ALBORADA - SAYRI ÑAN

6.13.2012

THE INCA BRIDGE






"The adventurer looked up, eager to plant the flag on the high of the Aconcagua. He was to ten steps of the "Cementerio de los Andinistas" (1) and could feel the hopelessness that perpetuates the history of those who  fall without flying the flag of their country; buried there, as attested by the unpreparedness, irresponsibility or bad luck . He tried not to think, he avoided to feel. His foot was planted on the ground with strenght, in a desperate attempt to see  himself bigger than the act. The guide approached calmly with a smile and an apology. Today, they would not anywhere. The weather changed quickly, again, it would be impossible to reach the top in the coming days. He tried to reply, fell silent, immediately, remembering the cemetery. He was comforted by the guide: he would not face yet the icy wind of the mountain but... he (the guide) would show him the secrets and mysteries of the Inca Bridge... "


On the way to Las Cuevas (border with Chile), we find one of the most famous resorts of Argentina. The bathing in these waters are recommended for various diseases and natural features of the region rivaling with the mystery of its legends... to enchant us...


In 1965, a devastating avalanche destroyed the beautiful Hotel Puente del Inca who had previously survived many disasters. It was solid building, sumptuous, with underground access to the thermal baths - in this area emerge the hot springs, mineral, that bubble without stopping ... The evidences of the slip are still there, revealing a cascade of rocks that rolled abruptly to the valley ... Fortunately, guests and staff, were "miraculously" saved, by taking shelter in the little church that remained intact and can still be seen today.



Located in the andean Cordillera, 2720 meters above sea level, the Puente del Inca (Inca Bridge) is famous for being a natural bridge, unique in the world, declared a Natural Monument. It seems that was formed by the action of the waters excessively minerals, and by the action of thermal waters in the sediments put in the bottom of a cavity. Due to them, the color orange, yellow, ocher, tints the whole area, and any object that you puts under them remains so much impregnated with the minerals that acquires an appearance of stone. 


On the right bank, the famous termal Baths, with five sources of the same type but of different temperatures and components. Surrounded by mountains, the landscape stretching, tens of meters below the bridge, on the river waters Las Cuevas...



(Forty-seven feet long by twenty-eight wide, on the Rio Las Cuevas. Called Inca Bridge because the Inca nobility used its medicinal hot springs that flow from the pools under it.)
















The history of the Bridge begins with the Inca Trail and its legends...






It is assumed that the Incas have taken advantage of its waters with healing properties. His fame is rightly due mainly to its thermal baths. Existing buildings, beside and under the bridge, as small pools by where flow the thermal waters, originated from natural sources with temperatures ranging between 34 and 38 degrees. The baths are recommended for nervous system disorders, rheumatic diseases, gynecological treatment, children with anemia, rickets and arthritis.

The area is ideal for adventure tourism, mountain climbing, horseback riding and snow sports.

Nearby is the "Cerro Los Penientes", so called because its great walls of stone, seen from the distance, look like huge monks in procession. 

From the bridge, when the sun shines the dawn in shades absolutely golden, revealing the rock stalactites, there is a magical world that takes us ... by drawing fluid rainbow in the water and ice, suggesting connotations fantastic in nature that has always made the place sacred to the Incas ... 

The place name comes from a legend ... 


A long, long time ago... long before the arrival of the Spaniards...











THE LEGEND OF THE INCA BRIDGE



The successor of the Inca Empire was gravely ill. He was a wise and just prince, like his father, and everyone loved him very much. In whole Tahuantinsuyo all people prayed to the gods by making sacrifices and offerings for his health. But the prince only got worse and all feared that his death put at risk the future of the Empire. By consulting the Amautas (2), they were told that the prince would recover health if he could bathe in the waters of a certain place, far away toward the south, between the rocks and mountains of the Cordillera. There, they said, sprang a water can cure all diseases.





However, to getting there, they should traverse distances, deserts and climb mountains. Wasting no time, the Inca ordered to prepare an entourage to accompany the prince and departed the morning of Cusco, in search of great waters. At dawn, they followed by the road - with many llamas, laden with food and everything necessary for such a long journey. Despite concerns about the prince, the trip provided them to find a part of Tahuantinsuyo that left them delighted.


The long trip led them by the abrupt mountains, peaceful valleys, desert fields and lush meadows, rivers, streams, moonlit nights and days of gold and light. For days and days were on the way, sharing with nature and their gods a unique experience.

By day the sun gave them all the shades of green and colorful of many exotic flowers, the greatness and the splendor of nature snatched them. At night, the spectra of giant mountains put them before the unknown with astonishment - noises and sounds as if the land talked to them with a voice that only they could understand, repeating the echo on the cliffs, in the vastness of the valleys...

Then, as an announcement that they were near the goal, they stopped, paralyzed by the sight of the mountain more beautiful and mysterious that they had seen. They were in front of the Aconcagua, the highest peak of the Andes and its powerful Apu (3). Overcoming the surprise and the enthusiasm, they went ahead, and after a short walk, in which many hares crossed their path as if to greet them, arrived late in the afternoon to a ravine. Downstairs, embedded in the ravine, ran a mighty river, which was advancing, invincible, on the rocks...


The sound of the trumpet, the quepa, (4) broke the silence to announce that they had come. However, there was nothing to do: the hot springs were on the other side of the ravine, inaccessible ... 

An utter dismay befell them because of the impossibility that presented itself. They stood, there, at night, tired and waiting that the Sun, the Father of all the Incas, would bring a solution to the problem.

In the morning, as if led by the power and love of the Sun, which all the Incas are children, the soldiers of the retinue, warriors of Inti (5), began to embrace each other, forming a human bridge so that the Son of the Sun could reach the other side. The Inca walked on their back, with his son in the arms, and thus he could reach the hot springs, finding the cure for the boy.

When she looked back, to thank the warriors, they had been petrified and became what we now know as "Puente del Inca."

   




Perhaps this is my favorite legend for what it represents. The great Tahuantinsuyo was like that. The power of the Sun combined with the strength of men and women of the kingdom, forever in search of perfection. This legend represents many things. There is the divine presence in all stages of the path and all the discoveries and there is the human side, seeking to overcome their difficulties with union and faith, never giving up on their goals and fulfilling their duty to the end.

This legend certainly expresses the Tahuantinsuyo in its simplest form and at the same time, more important: the land of gods, the home of the Sun, a nation of warriors...


Some told that,  when the night is coming, when the hills are smoky, wrapped in veils of startling ways, one can see passing a caravan of strange figures, as if it was out of time, out of the silence, crossing from one mountain to another, eternally seeking the healing waters...







(1) located on the south side of the route linking Mendoza to Santiago de Chile, a distance of 1,500 meters from the "Puente del Inca," six kilometers from Los Penitentes.

.
(2) a person of great wisdom, teacher, master.


(3) Mountain Spirit.


(4) (quepa or pututu) - great trumpet made ​​of a large marine snail with the spiral internal channel.


(5) in Quechua, Sun







3.19.2012

TAHUANTINSUYO - BANDEIRA EM FRANGALHOS (IMPÉRIO INCA)




O maior símbolo de um povo, o que há de melhor para representá-lo, é o próprio povo, as pessoas que o formam enquanto sociedade. Assim, os Incas tiveram suas vidas destruídas, praticamente passando para a História como uma lenda, a bandeira dilacerada, as cores do arco-íris em frangalhos...

Deixo a Garcilaso a tarefa de narrar, com propriedade, a respeito do que restara da linhagem Inca, de modo que não haja dúvida.

"A majestade católica que tinha longa e abrangente relação e notícias de tudo o que aconteceu naquele Império, e em particular da morte que deram ao príncipe Tupac Amaru, e do exílio a que condenaram a seus parentes mais próximos, onde morreram todos". (Garcilaso)

"Aos índios de sangue real, que eram trinta e seis homens, os mais notórios e propínquos da linhagem dos Reis daquela terra, desterraram à Cidade dos Reis (1), mandando que não saíssem dela sem licença dos superiores. Com eles enviaram os dois meninos, filhos do pobre príncipe, e a filha, todos os três de tenra idade, o mais velho não tinha mais do que dez anos. Quando os Incas chegaram a Rimac, o Arcebispo don Gerónimo de Loayza, apiedando-se deles, levou a menina para casa para criá-la. Os demais exilados, vendo-se fora de sua cidade, suas casas e natureza, afligiram-se de tal modo que, em pouco mais de dois anos morreram trinta e cinco, entre eles os dois meninos. Além da aflição, ajudou-os a perecer rapidamente a região daquela cidade que está em terra quente e costeira que chamam de planície e tem característica muito diferente da que chamam de serra. E os nativos da serra, como dissemos na primeira parte dessa história, adoecem muito rapidamente ao entrarem nas planícies, como se entrassem em terra empesteada, e assim acabaram, em breve tempo, aqueles pobres Incas."

Garcilaso de la Vega, em 'Historia General del Peru', conta como a linhagem Inca foi extinta, de modo melancólico, como raios de sol na tempestade, em um convento em Alcalá de Henares, na Espanha.
No início do ano 1604, saiu a consulta pleiteada por Don Melchior Carlos Inca que lhe fazia concessão de sete mil e quinhentos ducados de renda perpétua, que se encontravam na 'Caixa' de Sua Majestade, na Cidade dos Reis (1), e que se lhe daria ajuda de custo para trazer sua esposa e casa para a Espanha, e um hábito de Santiago e as esperanças de um lugar na casa real, e que os índios que tinha em Cuzco, herdados de seu pai e avô, fossem colocados na Coroa Real, "e que ele não poderia ir às Índias." Portanto, não há outra maneira de contar a respeito dos Incas, que não seja rasgando a História. Com muita dor, porque a destruição é pior que a morte, já que não deixa nenhum vestígio ao qual agarrar-se. O futuro herdou a laceração de seu povo e eu escrevo isto, agora, para que meu futuro não apague, dentro e fora de mim, completamente, a memória das ruínas que herdamos. Aparentemente, foi uma tempestade tão forte, capaz de romper, para sempre, a aliança do arco-íris, apagando o Sol (*).


"Aos três que restaram, que um deles foi Don Carlos (2), meu condiscípulo, filho de Don Cristobal Paullu, que já mencionamos muitas vezes, ordenou o tribunal (por compaixão) que retornassem às suas casas, porém eles estavam tão desgastados com sua má sorte que, dentro de um ano e meio, morreram todos os três.
Mas não por isso, então, foi consumido o sangue real daquela terra, porque restou um filho do citado Don Carlos, de quem falamos no último capítulo da primeira parte desses Comentários, que veio para a Espanha para receber grandes concessões como lhe foi prometido no Peru. O qual faleceu no final do ano de mil seiscentos e dez em Alcala de Henares, de certeza depressão que teve ao ver-se recluso em um convento, por certa paixão que  teve com outro do mesmo hábito de Santiago.
Faleceu rapidamente de melancolia, de que tendo sido recluso por oito meses pela mesma causa em outro convento, o prendiam, agora, novamente. Deixou um filho, um menino de três ou quatro meses, legitimado para que herdasse a concessão que Sua Majestade lhe havia feito no recrutamento de Sevilha; o qual morreu no mesmo ano, e assim se perdeu toda a renda com a morte do menino para que em tudo se cumprissem as previsões que o grande Huayna Capac lançou sobre os de seu sangue real, e sobre seu Império." (Garcilaso)

"...conheci alguns outros que escaparam daquela miséria. Conheci dois Auquis, que significa infantes; eram filhos de Huayna Capac; um chamado Paullu, que já era um homem naquela calamidade, do qual as histórias dos espanhóis fazem menção; o outro se chamava Titu; era legítimo em sangue; era um garoto, então; do batismo deles e de seus nomes cristãos falaremos em outra parte. De Paullu restou sucessão mesclada com sangue espanhol, que seu filho D. Carlos Inca, meu condiscípulo de escola e gramática, se casou com uma mulher nobre nascida lá, filha de pais espanhóis, da qual teve Don Melchior Carlos Inca, que no ano passado de seiscentos e dois (1602) veio para a Espanha, tanto para ver a Corte como para receber as concessões que lá propuseram que lhe fariam aqui pelos serviços que seu avô fez na conquista e pacificação do Peru e depois contra os tiranos, como se verá nas histórias daquele Império, mas principalmente porque lhe é devido por ser bisneto de Huayna Capac para confirmar o que eu disse acima com o mesmo nome, e não são mais do que dezoito. "

Desse modo, Don Melchior Carlos Inca, neto de Paullu Inca e bisneto de Huayna Capac, foi para a Espanha no ano de mil seiscentos e dois para receber concessões. No início do ano de mil seiscentos e quatro, quando obteve a aprovação de sua petição, pela qual lhe faziam concessão de sete mil e quinhentos ducados de renda perpétua, dinheiro esse que estava na caixa do Rei, em Lima, obteve também ajuda de custo para trazer sua esposa e casa para a Espanha, um hábito de Santiago e a expectativa de um lugar na casa real; os índios que possuía, em Cuzco, herdados de seu pai e avô, passariam para a Coroa Real, e ele não poderia voltar "para as Índias", ou seja, para a América.

Em Sarmiento de Gamboa encontramos ...
"Porque apenas dois filhos de Huayna Capac escaparam da crueldade de Atagualpa (Atahualpa), que eram Paullo Topa, depois chamado Don Cristobal Paullo, e Mango Inga (Manco Inca), eram bastardos, que é o que entre eles é público. E estes, se alguma honra e bens tenham tido eles ou seus descendentes, Vossa Majestade lhes deu o bastante, mas o que eles tiveram, seus irmãos permaneceram no estado e com força; porque haviam de ser seus tributários e camareiros. E estes foram os menores de todos porque eram de linhagem por parte de mãe, que é o que eles estimam, e em nascimento. E ao Mango Inga, por ser um traidor de Vossa Majestade e estar alçado nos Andes, onde morreu ou foi morto, tirou Vossa Majestade, em paz, a seu filho Don Diego Sayre Topa daquelas montanhas de selvagens e o fez cristão e deu asseio e, principalmente ("principalisimamente" foi o termo usado), de comer para ele e seus filhos e descendentes. O qual morreu como cristão, e o que agora está nos Andes, chamado Tito Cusi Yupanqui, alçado, não é filho legítimo de Mango Inga, mas bastardo e apóstata. Antes têm por legítimo a outro, que está com o mesmo, chamado Amaro Topa, que é incapaz, que os índios chamam uti. Mas, nem um nem outro são herdeiros da terra, porque o pai não o foi. A don Cristobal Paullo honrou Vossa Majestade com título e lhe deu um muito bom repartimento de índios, com o que viveu muito principalmente. E agora o possui seu filho Don Carlos. De Paullo restaram dois filhos legítimos, que estão agora vivos, chamados um o tal don Carlos e don Felipe, e fora estes deixou muitos filhos bastardos e naturais, de maneira que os netos conhecidos de Guayna Capac (Huayna Capac), que estão vivos e tidos por tais e principais, são os citados, e além desses são don Alonso Tito Atauche, filho de Tito Atauche, e outro bastardo, que nem uns nem outros têm caução para serem chamados de senhores naturais desta terra. Pelas citadas razões, o direito será dizer daqueles cujo ofício pode determinar uma clareza tão evidente como é o mais justo e legítimo título que Vossa Majestade e seus sucessores têm nessas partes das Índias, conhecido o fato real que é o que aqui está escrito e provado, e especialmente para estes reinos do Peru, sem ponta de cargo no tocante ao tal título que a coroa de Castela tem para elas. Do qual tem sido luz e curioso inquisidor Don Francisco de Toledo, vosso vice-rei nestes reinos... "


"Assim, com a morte de Guascar (Huascar) se acabaram totalmente todos deste reino do Peru e toda sua linhagem e descendência, pela linha que eles tinham por legítima, sem restar homem ou mulher que pudesse ter direito a esta terra, embor tenham sido naturais e legítimos senhores dela, nem mesmo de acordo com seus costumes e leis tirânicas. "(Sarmiento de Gamboa)


Eu não sei até que ponto algumas das fontes são confiáveis​​, até que ponto esses autores escreveram de "ouvir falar", porque a destruição estava por toda parte e a verdade, bem, a verdade é sempre difícil de estabelecer, até mesmo no momento em que os fatos acontecem, enfim... Quanto a Paullu Inca, Sarmiento de Gamboa diz:

"E entre esses filhos de Guayna Capac estava preso um filho de Guayna Capac chamado Paulo Topa (3), o qual, como queriam matar, alegou que não havia nenhuma razão para que o matassem, porque antes ele fora preso por Guascar, por ser amigo e parcial de Atagualpa, seu irmão, e que da prisão de Guascar o havia tirado Chalco Chima. O qual disse a Cuxi Yupangui que dizia a verdade, ele o tinha tirado da prisão de Guascar, e por isso o soltaram e salvou a vida. Mas a razão de ter sido preso por Guascar foi porque ele havia se encontrado com uma esposa sua, e não consentiu alimentá-lo, apenas com pouca coisa, havendo determinado que morresse na prisão, dando a ele comida limitada."

De acordo com o cronista, isso ocorreu na época em que, a pedido de Atahualpa, "Cuxi Yupanqui mandou fincar, muitas estacas de uma parte e outra parte do caminho, que não levavam mais de um quarto de légua no rumo de Xaquixaguana. E então eles tiraram da prisão todas as mulheres de Guascar,... E as mandou enforcar naquelas estacas... e, em seguida, tiraram os filhos de Guayna Capac, que se achavam ali, e também os penduraram nas mesmas estacas. "

De qualquer modo, naquele momento, Paullu soube muito bem livrar-se do risco de morte que corría. Pela primeira vez, mas não última, foi colocado entre duas forças opostas que queriam destruí-lo. E ele soube como escapar em segurança...

"Dos poucos Incas de sangue real que sobraram das crueldades e tiranias de Atahualpa e de outras que depois houveram aqui, há sucessão, mais do que eu pensava, porque no final do ano 603 (1603) escreveram todos eles a Don Melchior Carlos Inca e a Don Alonso de Mesa, filho de Alonso de Mesa, que estava nas proximidades de Cuzco, e a mim também, nos pedindo que, em nome de todos eles, suplicássemos à Sua Majestade os mandasse isentar de todos os tributos que pagam e outras humilhações que como os demais indios comuns padecem.
Enviaram "poder in solidum" (procuração) para todos os três, e prova de sua descendência, quem e quantos (nomeados pelos seus nomes) descendiam de tal Rei, e quantos de tal, até o último dos Reis; e para maior verificação e demonstração enviaram, pintada em uma vara e meia (1 vara = 1,10m) de tafetá branco da China, a árvore real, descendente desde Manco Capac até Huayna Capac e seu filho Paullu. Vinham os Incas pintados em seu traje antigo. Nas cabeças traziam a borla vermelha e nas orelhas suas "orelheiras"; e nas mãos, "sendas partesanas" em vez de cetro real; vinham pintados do peito para cima, e nada mais. A coleção (dossiê) inteira foi dirigida a mim, e eu mandei para Don Melchior Carlos Inca e Don Alonso de Mesa, que residem na corte, em Valladolid, que eu por essas ocupações, não pude solicitar essa causa, que ficaria feliz em empregar a vida nela, pois não poderia ser melhor empregada." (Garcilaso)
"A carta que me escreveram os Incas é com a letra de um deles e muito bonita; as frases ou linguagem que falam, muito dela está de acordo com sua língua e muito também com o castelhano, que já estão todos espanholados; com data de dezesseis de abril de mil seiscentos e três. Não coloquei aqui para não causar pena as misérias que contam de suas vidas. Escrevem com grande confiança (e, assim, acreditamos todos) que, conhecendo-as, Sua Majestade Católica, as mandará remediar e lhes concederá muitos outros favores, porque são descendentes de Reis. Depois de ter pintado as figuras dos Reis Incas, colocam ao lado de cada um deles sua descendência com o título: "Capac Ayllu", que é geração augusta ou real, que é o mesmo. Este título é a todos em comum, sugerindo que todos descendem do primeiro Inca Manco Capac. Em seguida, colocam outro título em particular à descendência de cada Rei, com nomes diferentes, para que se entendam, através deles, os que são deste ou daquele Rei. (Garcilaso)


Paullu Inca sempre foi acusado de muitas coisas, colaborador, traidor, mas, o pior de tudo, inaceitável ​​para um Inca, foi a falsa acusação que lhe atribuíram de oferecer as múmias de seus antepassados ​​para os espanhóis em troca de favores pessoais.
A esse respeito, é suficiente dizer que esses "Mallqui" (múmias) foram levados para Lima só muitos anos depois de sua morte, apreendidos por Polo Ondegardo.
Como parece confirmar o documento de meados de1638, no qual Antonio de la Calancha (Chuquisaca,1548; Lima, 1654) eclesiástico e cronista do Alto Peru, escreve o seguinte: "Estes são os corpos que enviou o Licenciado Polo a Lima, na época do primeiro Marquês de Canhete, e estão em um curral do Hospital de San Andrés ".
A este respeito, Garcilaso conta que em 1559 o Licenciado Polo de Ondegardo confiscou na cidade de Cuzco as que se acredita poderíam ser as múmias dos Incas Wiracocha, Huayna Capac e Pachacutec. Sobre a múmia de Pachacutec o próprio Polo de Ondegardo escreveu o seguinte:

 "Quando descobri o corpo de Pachacuti Inga que foi um dos que enviei ao Marques da Cidade dos Reis (Lima) que estava embalsamado e também curado como todos viram, e encontrei com ele o ídolo principal da província de Andavailas porque ele a conquistou e colocou sob o domínio dos Ingas, quando venceu a Barcuvilca, senhor dela e o matou. "
O cronista Acosta acrescenta: "estava o corpo inteiro e bem temperado com um certo betume que parecia vivo. Tinha olhos feitos de uma telazinha de ouro, tão bem colocados que não fazia falta os naturais, e tinha na cabeça uma pedrada que lhe deram em alguma guerra. " 
 Quando em junho de 1537 Manco Inca retirou-se para a região de Vilcabamba, levou a múmia de Huayna Capac com as dos demais Incas a Vitcos. Quando caiu nas mãos do Marechal Orgoñez, a múmia de Huayna Capac foi devolvida à cidade de Cusco e, em seguida, foi entregue a Paullu Inca, que a guardou em lugar secreto. Em 1559 o Licenciado Polo de Ondegardo a encontrou escondida em uma casa em Cusco e, depois de um passeio fúnebre pela cidade, a enviou a Lima com as demais múmias dos Incas.


De acordo com a referência do cronista Lopez de Gómara, Huayna Capac deixou mais de duzentos filhos - de sua segunda irmã Rava Ocllo teve seu herdeiro Inti Cusi Hualpa, conhecido como Huascar. De sua prima Mama Runtu, que se tornou sua terceira esposa, teve Manco Capac. De uma mera concubina de Cuzco teve Paullu Inca.
 
 No último capítulo da "Historia del Peru", Garcilaso de la Vega nos diz o que aconteceu nesses finais incaicos...


 "...O termo e o fim da sucessão dos mesmos Reis Incas, que até o infeliz Huascar Inca foram treze, os que desde o princípio possuíram aquele Império até a ida dos espanhóis. E outros cinco que depois sucederam, que foram Manco Inca e seus dois filhos, Don Diego e Don Felipe e seus dois netos, os quais não possuíram nada daquele Reino a não ser o direito a ele. Desse modo ao todo foram dezoito os sucessores por linha direta masculina do primeiro Inca Manco Capac, até o último dos filhos, que não soube como se chamaram. Ao Inca Atahualpa não o contam os índios entre seus Reis, porque dizem que foi, Auca (inimigo)."

"Dos filhos cruzados desses Reis, embora no último capítulo da primeira parte desses Comentários, tenhamos dado conta de quantos descendentes havia de cada Rei, dos anteriores, que eles próprios me enviaram (como ali eu disse) a memória e cópia de todos eles, outorgando poder a Don Melchior Carlos e a Don Alonso de Mesa e a mim, para que qualquer um de nós os apresentasse perante a majestade católica e ao supremo Conselho Real das Índias, para que lhes fizesse concessões (até porque eles eram descendentes de Reis) de livrá-los das humilhações que padeciam. E enviei à Corte os documentos e a memória (que vieram a mim dirigidos) aos citados Don Melchior Carlos e Don Alonso de Mesa. Porém, Don Melchior, tendo suas reivindicações, pela mesma via, razão e direito que aqueles Incas, não quis apresentar os papéis para não confessar que havia tantos de sangue real. Por parecer a ele que se o fizesse, lhe tirariam grande parte das concessões que pretendia e esperava receber. E, assim, não quis falar em favor de seus parentes, e ele acabou, como foi dito, sem proveito seu ou alheio. Parecendo dar conta desse fato para a minha defesa; para que os parentes onde quer que estejam saibam o que acontece, e não me seja atribuído a descuido ou malícia que não tivesse feito o que eles me mandaram e pediram. Eu gostaria de ter empenhado a vida a serviço daqueles que também merecem, mas não me foi possível, por estar ocupado em escrever esta Historia, que espero não haver servido menos nela aos espanhóis que ganharam aquele Império, que aos Incas que o possuíram."(Garcilaso)

Aqui, também, preciso dizer algumas palavras em defesa de Melchior, que estava recluso em um convento na Espanha, longe de seu lugar de origem, sozinho e deprimido. Garcilaso, acredito que, a fim de pedir desculpas pelo que ele mesmo não podia fazer, tentou colocar a culpa em Melchior, repreendendo-o com força excessiva.

Enfim, para terminar este artigo, uma nota final de degradação e dor...

"Resta contar o fim que teve o Capitão Martin Garcia Loyola,... o qual, como remuneração por haver preso o Inca e por muitos outros serviços prestados à coroa de Espanha, casaram com a infanta, sobrinha desse mesmo príncipe, filha de seu irmão Sayri Tupac, para que desfrutasse do repartimento de índios que esta princesa herdou de seu pai, o Inca. E para sua maior honra e satisfação e serviço da majestade católica, ele foi eleito Governador e Capitão Geral do Reino do Chile,... "(Garcilaso)

A tal princesa ou ñusta, chamada dona Beatriz Clara Coya, era filha de  Diego Sayri Tupac e de dona Maria Cusi Huarcay, neta de Manco Inca e sobrinha de 
Tupac Amaru I. O tal casamento era um prêmio para o capitão Martin Garcia de Loyola por capturar Tupac Amaru I em seu refúgio de Vilcabamba, como foi narrado, por Garcilaso de la Vega, com propriedade.


                                                                   #########

(*) Não podemos esquecer que o Sol, para os Incas, é Deus.

(1) Lima, Peru.
(2) Carlos, filho de don Cristóbal Paullu Inca.
(3) Paullu Inca.

BIBLIOGRAFIA
Garcilaso de la Vega, Comentarios Reales.
Garcilaso de la Vega, Historia General del Peru.
Pedro Sarmiento de Gamboa, Historia de los Incas.




2.28.2012

UMA VIAGEM NO TEMPO AOS APOSENTOS DO INCA



                            (Rua de Cantutas idealizada e feita por mim no computador)



"Não tiveram os Incas outros ídolos, nem seus nem de outras pessoas, com a imagem do Sol, nem naquele tempo nem em qualquer outro, porque não adoravam outros, apenas ao Sol, embora não falte quem diga o contrário." Garcilaso de la Vega, Comentários Reais.

Imagine uma viagem no tempo até a antiga Cuzco dos tempos de paz e tranquilidade, e que, voltando uns quinhentos anos, chegássemos ao bairro de Las Cantutas, tão bem descrito por Garcilaso de la Vega, em seus "Comentarios Reales"...


"... Outro bairro chamado Cantutpata, que significa andenes (plataforma) de cravíneas. Chamam Cantut a algumas flores muito bonitas que se assemelham às cravíneas da Espanha... ...são plantas muito grandes, e porque naquele bairro havia umas enormes (que eu mesmo cheguei a ver), foi chamado assim. " (1)

Voltando sobre nossos passos pelo caminho de flores, subindo até a rua que divide a cidade em duas, Hanan e Hurin Cuzco (Alta e Baixa Cuzco), e que conduz ao norte, ao misterioso Antisyuo (Amazônia) e sua floresta sombria, tomamos a direção oposta, no rumo da cidade...

Eu posso imaginar a sensação maravilhosa que se experimentava, ao entrar nesse bairro, no momento exato em que o olhar se enchia de cor ao encarar as calçadas com seus arbustos perenes, que subiam mais de três metros, ramificados e vistosos, e desciam, carregados de flores, pendendo em cachos terminais, com suas coroas tubulares, de cálices curtos, explodindo em cor - cantutas roxas, de cor rosa, algumas amarelas, outras de cor branca - tantas, a ponto de dar nome ao bairro -- a cantuta era a flor sagrada dos Incas, dedicada ao Sol, por isso, plantada em toda parte. O fato de haver um bairro nobre com esse nome, cheio de palácios e de flores, reitera isso, e nos faz pensar na grandeza de andar por aquelas ruas de pedra, sempre tão limpas e conservadas, ouvindo a profusão de pássaros cantando nas árvores, deleitando-nos com a invasão de beija-flores no espaço dos jardins repletos de cantutas floridas. Nossa imaginação nos obriga a tocar em suas pequenas folhas ásperas e alternadas, elíptico-lanceoladas, de um suave verde acinzentado.







Podemos tentar entrar em uma de suas casas palacianas, a fim de poder espiar um pouquinho...

Não, melhor ainda, vamos ao palácio do Inca...



A temperatura da rua é um pouco mais fria do que quente, mas não a ponto de precisarmos nos aquecer, de alguma forma. E basta entrar em um aposento qualquer, onde não haja nenhuma corrente de ar, para deixar de sentir o frio que trazemos da rua.

No Tahuantinsuyo (nome dado ao Império), durante todo o ano, não há diferença de inverno e verão, ou seja, as regiões frias se mantém sempre frias, o mesmo acontece com as regiões de clima ameno e com as quentes, sempre da mesma maneira.


Como a temperatura é mais fria e seca do que de calor e humidade, não existem moscas, apenas algumas, ao sol, pois, nos aposentos, não entra nenhuma; nem mosquitos que picam... A cidade se encontra limpa de tudo isso.



No palácio, como em todas as casas reais, há jardins e pomares nos quais o Inca encontra uma forma de recreação. Neles, existem frondosas árvores, plantas e flores perfumadas e muito bonitas, de todas as que se costuma encontrar pelos domínios do Inca, por todo o Tahuantinsuyo. 

No entanto, no palácio do Inca, além do jardim normal, há um outro, todo em ouro e prata, imitando, em tamanho natural, muitas árvores e outras plantas menores, com suas folhas, flores e frutos; umas que começam a brotar, outras em crescimento, algumas em seu tamanho adulto.



Pés de milho, inteiros, com folhas, raízes, espigas e flor: os cabelos de ouro e todo o resto de prata... Do mesmo modo, em muitas outras plantas, as flores são de ouro e o resto de prata...

O jardim está cheio de animais e insetos, grandes e pequenos,  imitando os verdadeiros, de ouro vazado e prata: coelhos, ratos, lagartos, cobras, borboletas, raposas, gatos selvagens, pois não há gatos domésticos em todo o Império. Aves e pássaros, de todos os tipos, alguns postos nas árvores, como se cantassem, outros como se voassem e sugando o mel das flores.

Montes e pilhas de achas de lenha, feitos em tamanho natural, de ouro e prata, como que, ali, depositadas para o uso no serviço da casa.



Mas, vamos deixar os jardins para entrar no palácio...



Como outros palácios e templos, este é todo revestido com placas de ouro e os apartamentos reais, tanto aqui, como em qualquer lugar nas províncias, estão cheios de figuras humanas, pássaros, animais selvagens como ursos, pumas, raposas, gatos selvagens, veados, vicunhas, todos em ouro vazado e prata, em forma e tamanho natural, colocados nas paredes, nos vãos e nichos.


"Imitavam ervas e plantas das que nascem pelos muros e as colocavam nas paredes de modo a parecer que ali haviam nascido. Espalhavam, pelas paredes, lagartixas e borboletas, ratos e cobras grandes e pequenas, que pareciam ir para cima e para baixo nelas. "

De repente, diante de nós, a maravilhosa visão do assento de ouro maciço, que chamam tiana, no qual senta-se o Inca, em todo o seu esplendor. Agora vazia, podemos observar que a tiana tem um terço de altura, sem braços nem espaldar, um pouco côncava no assento, posta sobre um grande tablado quadrado de ouro...

Em todo o serviço doméstico, tanto no de mesa quanto adega e culinária, as vasilhas, pequenas e grandes, são todas de ouro e prata, e assim é em cada pousada, ou tambo, para serem usadas no momento em que o Inca chegue, sem que seja necessário levá-las de um local para outro. Cada casa do Inca, tanto as que existem nas Estradas Reais, como as das províncias, todas tem o que é preciso para recebê-lo quando ele vem, quer seja com seu exército ou para visitar seus domínios. Nessas casas reais há muitos celeiros, feitos de ouro e prata, não para colocar grãos, mas para a grandeza e majestade da casa e de seu senhor.

Tanto no palácio, quanto nas casas, há banheiros com grandes bacias de ouro e prata, nas quais lavam-se, e canos de prata e ouro, pelos quais chega a água até as bacias. Também em lugares de fontes termais naturais, existem banheiros feitos de forma majestosa e rica.

Ao entrar nos aposentos reais, o quarto está vazio, completamente exposto pelas enormes portas que se abrem para os jardins, apenas tocadas pelas mãos do vento que agita os finíssimos tecidos de Cumbi que recobrem os vãos (2). A luz do sol faz a manhã nascer no aposento, incidindo brilhos no ouro e na prata como estrelas.

Não há tapeçaria nas paredes, porque, como sabemos, são cobertas com ouro e prata.

Muita roupa de cama e de vestir. A roupa de cama é toda de cobertores e mantas de lã de vicunha, tão delicados e bem feitos, colocados por baixo e por cima - sem colchões.

"Este citado Inca (3) tinha sua celada uma chuco [capacete], anas pacra, masca paycha [borla real] e seu chanbi [clava] e uallcanca [escudo]. Tinha sua manta  azul clara e sua camiseta levava azul entre três tocapus [tecido feito à mão texturizado] e a parte de baixo verde e quatro atadeiros nos pés. "(Guaman Poma)

A roupa de vestir, sempre nova, porque o Inca não coloca uma roupa duas vezes, dando-a, em seguida, a seus parentes.

Nos aposentos de Huascar e Chuqui Huipa (Chuqui Llanto), os últimos Inca e Coya do Tahuantinsuyo, também havia as roupas da rainha, com suas cores e desenhos (tocapu), em tons de verde e azul semelhantes às do seu amor, irmão e marido. "E tinha sua lliclla [manta] azul claro e o do meio verde escuro e seu acxo [saia] verde e o de baixo de tocapu [tecido feito à mão texturizado]. Puramente boa e alegre contentava a seu marido,..."(4)

Mas onde está o Inca, afinal? Porque só encontramos lugares vazios neste palácio?

É a hora da refeição principal em todo o Tahuantinsuyo. No palácio, a comida é sempre abundante, pois é preparada para todos os parentes que queiram vir para cear com o Inca, e também para os servos da casa real, que são muitos. A hora da principal refeição, pela manhã, é entre oito e nove horas e há uma outra, antes do anoitecer, com os últimos raios do sol.

No Tahuantinsuyo dorme-se cedo e desperta-se mais cedo ainda, pois tudo deve ser feito sob a luz do Sol.





                                                                    (cantuta)



                                   




                                                                 ##########




(1) Cantuta/ Kantuta/ qantuta (Cantua buxifolia) - É a flor nacional do Peru, também chamada 'Flor Sagrada dos Incas'. Nativa do Peru, Bolívia e norte do Chile, cresce a uma altura de cerca de 3 metros, com pequenas folhas verde-cinzentas e flores de cor roxa, rosa, branca, amarela e listrada em graciosos ramos arqueados. Existe uma lenda, provavelmente oriunda dos povos que serviam aos Incas e não propriamente uma lenda Inca, que conta de dois reis, Illimani e Illampu, que haviam ferido um ao outro, mortalmente, em uma batalha e, no leito de morte, clamaram por vingança através de seus filhos. A história se repetiu quando os dois filhos morreram em batalha. No entanto, Pachamama, deusa da terra, ordenou um castigo aos dois reis que haviam causado tal tragédia: suas estrelas deveriam cair à terra e tornar-se picos cobertos de neve que teriam seus nomes. As pétalas vermelhas e amarelas da Cantuta simbolizam as cores dos dois reis mais jovens, e o verde representa a esperança.

                                                                (Flor de Cantuta)


Segundo Garcilaso de la Vega:  "En aquel andén fundó el Inca Manco Cápac su casa real, que después fue de Paullu, hijo de Huayna Cápac. Yo alcancé della un galpón muy grande y espacioso, que servía de plaza en días lluviosos, para solemnizar en él sus fiestas principales. Sólo aquel galpón quedaba en pie cuando salí del Cozco; que otros semejantes, de que diremos, los dejé todos caídos. Luego se sigue, yendo en cerco hacia el Oriente, otro barrio llamado Cantutpata, quiere decir andén de clavellinas. Llaman Cantut a unas flores muy lindas, que asemejan en parte a las clavellinas de España. Antes de los españoles no había clavellinas en aquella tierra. Seméjase el Cantut, en rama y hoja y espinas, a las cambroneras de la Andalucía; son matas muy grandes, y porque en aquel barrio las había grandísimas (que aun yo las alcancé), le llamaron así." 

(2) Não havia o costume de usar cortinas.

(3) Inti Cusi Hualpa Huascar Inca.

4) Tentei descrever os aposentos de Huascar e Chuqui Huipa (Chuqui Llanto), os últimos Inca e Coya do Tahuantinsuyo, (décimo segundo Inca e décima segunda Coya), de acordo com o que os cronistas disseram: [reina], Chuqui Llanto, Coya : dizem que era belíssima e branquinha, que não tinha nenhuma mancha no corpo. E no semblante e muito alegre e cantora, amiga de criar passarinhos. (Guaman Poma)




BIBLIOGRAFIA

Garcilaso de la Vega, Comentarios Reales. ( em especial o Cap. XX)
Guaman Poma, Nueva Corónica y Buen Gobierno (1615)





2.25.2012

HUASCAR E CHUQUI HUIPA - BODAS DE SONHO EM CUZCO (IMPÉRIO INCA)


               (Chuqui Huipa / Chuqui Llanto - desenho de Guaman Poma)


Vamos, mais uma vez, voltar no tempo, para testemunhar, em nossos sonhos e na  narrativa dos cronistas, o casamento de Huascar, o último Inca, e sua irmã Chuqui Huipa...

Huascar Inca, ao terminar o luto pela morte de seu pai, Huayna Capac, em Cuzco e em toda a terra, com grande sentimento, lágrimas e infinitos sinais de tristeza, assistiu, em pessoa, à parte final das exéquias, em Yucay, voltando, logo em seguida, para Cuzco.


Era hora de pensar na sucessão.

 

Com a permissão e os presságios favoráveis do Sacerdote do Sol e o consentimento dos demais nobres, irmãos, parentes e orelhões (1), Huascar decidiu casar-se com Chuqui Huipa (2), irmã sua por parte de pai e mãe, de acordo com a leis incaicas. Segundo o cronista Frei Martin de Murúa, chamaram Rahua Ocllo, esposa de Huayna Capac, mãe de Huascar e Chuqui Huipa, e todos juntos disseram a ela como haviam determinado que seu senhor Huascar tomasse por esposa a Chuqui Huipa, sua irmã.

Ao ouvir essas razões e vendo a vontade de seu filho, conselheiros e capitães, Rahua Ocllo, não se sabe a razão, recusou, negando o que ele lhe pedia, dizendo que não queria dar-lhe sua irmã por mulher.

"Huascar Inca teve grande raiva e com cólera e desprezo, levantando-se de onde estava sentado, disse à sua mãe palavras muito feias e desmedidas, tratando-a com desdém e desprezo, as quais, ouvidas por ela, insultada, levantou-se e foi para sua casa, deixando seu filho e conselheiros com grande fúria. "(Murúa)


Ao ver a atitude de Rahua Ocllo, os conselheiros de Huascar determinaram que, embora sua mãe não quisesse, ele deveria pedir sua irmã Chuqui Huipa, por esposa, a seu pai, o Sol, com sacrifícios e oferendas e outras coisas que a ele fizesse e oferecesse e que desse muitas e ricas dádivas ao corpo de Tupac Inca Yupanqui, seu avô e pai de Rahua Ocllo, sua mãe. Com esta determinação, Huascar, seguindo a ordem e o conselho dos seus,  primeiro dirigiu-se ao local onde se encontrava a múmia de Tupac Inca Yupanqui com grandes presentes. Adcayquy Atarimachi, Achache e Manco, parentes encarregados de cuidar e falar em nome de 
Tupac Inca Yupanqui, aceitaram em seu nome, e a concederam por esposa.

De lá, Huascar foi ao templo do Sol com grandes sacrifícios e ofertas, e pediu ao Sol, seu pai, Chuqui Huipa, sua irmã, como esposa legítima, e todos os sacerdotes do templo, juntos, em Seu nome, a deram por esposa, recebendo os presentes. Ele, querendo que o casamento fosse com o consentimento de Rahua Ocllo, sua mãe, para acalmá-la, que estava zangada, e agradá-la, deu-lhe ricos presentes de ouro, prata, roupas, servos e, solenemente, mais uma vez, todos os sacerdotes e irmãos de Huascar e os conselheiros foram até ela e juraram Chuqui Huipa por sua esposa legítima.

Houve novas festas, com danças e bailes, em Cuzco,  pelo juramento que fora reiterado, e ordenou-se que, durante todo o mês, fossem acesas luminárias em todas as torres e casas da cidade e que tocassem todos os gêneros de música das nações que alí estavam e, como ordenado, cumpriu-se.

Depois que o Sol (Inti), a múmia de Tupac Inca Yupanqui e Rahua Ocllo concederam Chuqui Huipa como esposa a Huascar, acordou-se que se efetuasse o casamento. Para maior majestade e grandeza, e maior ostentação, concordou-se que o Sol e a múmia de Tupac Inca Yupanqui fossem ao casamento e que estivessem, alí, representando a pessoa de Huayna Capac, pai da noiva, pois eles a haviam dado por esposa, em seu nome, e que Huascar saísse, com a imagem do trovão para encontrá-los.

Para maior celebração, ordenaram que a casa de Tupac Inca Yupanqui e a de Huayna Capac fossem cobertas de adornos de ouro e prata, e, assim, quatro torres foram cobertas e as paredes foram todas revestidas de fina guarnição. Aqueles que ocupavam o lugar de Tupac Inca Yupanqui e Huayna Capac e os sacerdotes do Sol, mandaram que a casa de Huascar e a da noiva se revestissem de adornos de ouro e rica guarnição, e todas as casas dos Incas mortos tivessem seus telhados cobertos de penas e as paredes de fina guarnição e as torres da praça se adornassem da mesma maneira e nelas, de dia e de noite, enquanto durassem as festas e regozijos, houvesse muita música, canções e danças.

Cuzco brilhava ao sol com o seu ouro e prata e, à noite, suas torres ostentavam as luminárias; muralhas de pedra em miríades de estrelas como se o céu noturno baixasse à terra, as chamas das lâmpadas crepitando a felicidade do Inca e sua noiva...


No dia do casamento, Huascar saiu de sua casa acompanhado da imagem do Sol, a múmia de Tupac Inca Yupanqui, seu avô, e a de Huayna Capac, seu pai, todos os sacerdotes, irmãos, parentes, conselheiros, orelhões e os chefes de seu exército e uma multidão de pessoas. Chegaram à casa de Rahua Ocllo, que estava ricamente revestida e, ali, receberam e entregaram Chuqui Huipa a Huascar, com toda a solenidade possível e todas as cerimônias que, entre eles, costumavam realizar em tais casamentos.

"Estiveram ali desde a manhã até a hora de vésperas e depois a pegaram para levar à casa de seu marido, Huascar, com muita música e cânticos. Por onde ela fosse, com seu marido, todo o caminho estava repleto de ouro e prata em pó, infinita "chaquira" (3) e plumagens, algo nunca antes visto em festas e casamentos de qualquer monarca do mundo desde o primeiro homem, até agora, pelo menos, pois não está escrito em qualquer autor, nem o que diremos mais tarde. Foram desde Casana até Marucancha, que eram as casas e residências de Huascar Ynga, e tudo o que daquele dia ficou até a noite se consumiu em bailes, cânticos, danças e regozijos. No dia seguinte, por mais autoridade e grandeza, vieram todas as nações que estavam no Cuzco para fazer festas a sua senhora e duraram mais de um mês. "(Murúa)

Huascar Inca queria celebrar seu casamento de modo que fosse lembrado para sempre. Então, mandou fazer, de ouro e prata, todos os tipos de milho existentes e todas as variedades de ervas que eles comiam. Também fizeram todos tipos de pássaros, pombos, garças, papagaios, falcões, tordos, águias, gaviões, condores, e muitos tipos de peixes do mar e de água doce. Lenha, inteira e rachada, e toda a diversidade de animais terrestres que havia no Tahuantinsuyo, foram feitos de ouro e prata e plumagens. Comida feita de ouro e prata era servida nas mesas,
 a todos os que se encontravam nas festas, pelos servos de Huascar, como lembranças do casamento, como se fosse comida de verdade ou se tivessem essa finalidade;  e todos os cântaros, arcas pequenas, copos e demais vasilhas eram de ouro e prata.

Mandaram trazer um número infinito de animais vivos, assim como ursos, pumas, gatos selvagens, macacos, veados, vicunhas, lhamas, em trajes de cores diferentes, feitos de propósito para fazer parecer que haviam nascido com eles e que haviam sido domesticados para esse efeito.

"Nem como eu disse acima, nenhum senhor ou príncipe do mundo, pois nem mesmo em invenções, majestade e aparato tenha havido muitas que a tenham excedido, nenhuma de tal abundância de ouro ou infinidade de prata que, como se fossem iguarias comestíveis se oferecíam aos convidados. "(Murúa)

Algum tempo depois, uma embaixada de seu irmão Atahualpa foi recebida por Huascar Inca. Como isso aconteceu em meio aos prazeres do sucesso, ele ficou muito satisfeito com ela, recebendo os mensageiros de seu irmão com honra, concedendo-lhes favores. Estes mensageiros trouxeram muitos presentes e ricas dádivas para Rahua Ocllo e para Chuqui Huipa, que os receberam muito bem, o que, sabido depois por Huascar, fez despertar em seu coração a suspeita, certamente causada por ciúmes...
Porque Atahualpa, e só ele, não foi a Cuzco para o funeral de seu pai, Huayna Capac, nem ao menos para o casamento de seu meio-irmão Huascar...

Gaman Poma, em Nueva Corónica y Buen Gobierno (1615) (Nova Crônica e Bom Governo), diz: "a décima segunda coia [rainha], Chuqui Llanto, coya: Dizem que era muito bonita e branquinha, que não tinha nenhuma mancha no corpo. E no semblante e muito alegre e cantora, amiga de criar passarinhos. E não tinha coisa sua,... ...tinha sua lliclla [manta] azul clara e o do meio, verde escuro, suacxo [saia] verde e o de baixo de tocapu  [tecido de pano trabalhado]. Puramente boa e alegre, contentava a seu marido, ... "


"Foi Chuqui Huipa mulher de boa disposição e bonita, embora um pouco morena, que toda esta linhagem o foi sempre. Seus arreios (4) eram pomposos e soberbos quando ela saía de casa, íam em sua companhia número infinito de indios importantes e servos seus, e rodeada de muitas princesas (ñustas) bizarramente vestidas. As paredes do seu palácio eram pintadas de diferentes modos de pintura, porque era estranhamente aficcionada a isso, e os adornos e quadros eram de finíssimo Cumbi de diferentes figuras, as quais naquele tempo se fazia sutilíssimas."
(Fray Martín de Murua, Historia General del Peru, Libro I)


Por tudo o que aconteceu antes do casamento e pela grandeza de sua realização, só posso crer que os dois se amavam muito. Foi, sem dúvida, o dia mais feliz de suas vidas...
Em seu coração, de qualquer forma, ou, talvez, mesmo, com suas próprias mãos, Huascar Inca, solenemente, tenha calçado, com uma sandália, o pé direito da eleita de sua vida... (antiga tradição Inca)




Havia um provérbio incaico que dizia "casa-te com teu igual" (Varela, 1945).


                                                               #########



1) Os nobres foram chamados, pelos espanhóis, "orelhões", devido à impressão que tiveram de suas enormes orelhas muito aumentadas pelos grandes "brincos" que usavam. Eles eram Incas e, como funcionários do Império, ocupavam cargos de confiança, bem como de tudo o que se referia a segurança e exército.

(2) (Chuquillanto, Mama Huarcay, Mama Guarqui, Cori Illpay) - Chuqui é Aymara: significa "ouro" Cori é Quechua: significa o mesmo metal.

(3) chaquira
1.f. amer. Colar ou pulseira feita com miçangas, contas, conchas, etc., Utilizados como decoração.

(4) arreio
sm (de arrear) 1 Adorno, atavio, enfeite, ornamento.




Bibliografia

Fray Martín de Murúa, Historia General del Peru, Libro I.

Felipe Guaman Poma de Ayala, El Primer Nueva Corónica y Buen Gobierno.






2.23.2012

MANCO INCA - JOGO DE MORTE EM VILCABAMBA (IMPÉRIO INCA)

          (vista interior do Palácio de Sayre Topa)




"Este fim teve Manco Inga Yupanqui, filho de Huaina Capac, senhor universal deste reino,
 tendo, desde que deixou Cuzco, pelas humilhações e tirania de Hernando Pizarro e seus homens, passado inúmeros trabalhos e desventuras de um lado e de outro, seguido e perseguido pelos espanhóis, dos quais, vencido e vencendo, escapou milhões de vezes, tudo para preservar a sua liberdade, e o que, tantas vezes, o marquês Pizarro e seus irmãos, e outros capitães, não puderam fazer, com tantos soldados e índios amigos, acabou e concluiu Diego Mendez, mestiço a quem, e a seus comparsas, Manco Inga havia
recolhido e protegido e feito o bem em sua casa, para que se veja até onde chega uma traição. "(Murúa)


Recorrí a Frei Martin de Murúa para entrar em uma época na história em que as grandes revoluções dilaceravam os  Andes em todas as direções.
Naquela época, muitas lutas aconteciam como resultado da morte de Don Diego de Almagro. Determinados a vingar sua morte, o Capitão Joan de Herrada e outros amigos dele, conspiraram, na Ciudad de los Reyes (1), levando consigo o filho de Almagro, que tinha o mesmo nome de seu pai.

Então, conjuraram e foram para a casa onde vivia o Marquês Don Francisco Pizarro, matando-o e ao Capitão Francisco de Chaves, levando o corpo do Marquês e arrastando-o pela praça. Muitas pessoas se juntaram a eles, todas as que haviam seguido Don Diego de Almagro, tomando seu filho como líder. Quando Vaca de Castro chegou, enviado pelo Rei de Espanha, reuniu aos que eram leais ao serviço de seu rei, enfrentando Don Diego de Almagro, o moço, em Chupas, a duas léguas de Guamanga. Então, aconteceu a batalha e foi desbaratado Don Diego de Almagro, que  fugiu para Cuzco, onde foi preso, e teve a cabeça cortada por ordem de Vaca de Castro.


Da batalha de Chupas, quando foi desbaratado Don Diego de Almagro, o moço, fugiram Diego Mendez, o mestiço, Barba Briceño e Escalante e outros soldados, no total treze companheiros. Fugiram pelas montanhas até Vilcabamba, onde estava Manco Inca, que os recebeu muito bem. Disseram-lhe que viriam a servi-lo muitos espanhóis e que, com eles, tornaria a recuperar sua terra e venceria, arrancando os espanhóis que estavam nela. Disseram isso a Manco Inca, temendo que os mandasse matar e para lisonjeá-lo e obter sua gratidão. Quanto a Manco, ele lhes dispensou um ótimo tratamento em tudo, sem a intenção de prejudicá-los, o que os fez perder o medo.

"Passados alguns dias, Manco Ynga soube, através dos espiões que tinha, em Cuzco e em outros lugares, como um curaca chamado Sitiel, caçoando de Manco Ynga, na presença de muitos cristãos, disse a Caruarayco, chefe de Cotomarca: vamos prender Manco Ynga em Vilcabamba e Caruarayco será Ynga e Senhor, e todos nós o obedeceremos e Manco Ynga o servirá e conduzirá a tiana, que é o assento onde os chefes e principais se assentam. "(Murúa)

Ao saber disso, Manco sentiu-se muito magoado e imaginou como vingar-se daquela insolência que Sitiel fizera, tomando como grande afronta o atrevimento de seu súdito ao dizer tal coisa. Disse a Diego Mendez, e aos demais, que fossem prender àquelas pessoas e eles disseram que sim, e ofereceram-se com grande disposição. De acordo com Murúa, Manco Inca mudou de ideia porque pensou que eles estavam muito cansados ​​de tudo o que lhes acontecera e decidiu enviar seus homens mais corajosos, todos os capitães que estavam com ele e todos os seus próprios capitães, ficando com, apenas, quinhentos para sua guarda pessoal. Ordenou-lhes que fossem com toda a pressa possível, agindo na surprêsa, e tentassem trazer vivos Sitiel e Caruarayco. Desse modo, partiram para cumprir sua ordem, prontamente.

"Ninguém há de negar quão feio e abominável vício seja o da ingratidão, porque fazer o bem a quem me fez mal é obra de cristão... "(Murúa)


Diego Mendez Barba e seus companheiros só  escaparam com vida porque foram acolhidos e amparados por Manco Inca que, em vez de tratá-los como inimigos, dos quais tantos prejuízos havia recebido, acolheu-os e deu a eles de comer e beber, e os manteve em sua companhia, fazendo-lhes todo o bem possível.

Manco Inca, após ter enviado seus capitães e sua gente, manteve os espanhóis junto de si. Com um ótimo  tratamento e cortesia, em sua presença, mandava que se colocasse a mesa e lhes dessem de comer e beber, abundantemente, obsequiando-os, como se estivessem em casa.
"Já os espanhóis parece que estavam enfadados de tantos presentes e fartos de estarem ali, e quiseram voltar a Cuzco, aqui fora, e não sabiam como fazê-lo com segurança, para que a eles não prendesse Vaca de Castro, e combinaram, entre si, uma enorme traição. "(Murúa)

Conspiraram para matar Manco Inca e, matando-o, pudessem fugir incólumes,  pensando que, por aquele serviço tão notório, Vaca de Castro iria perdoá-los e fazer-lhes concessões porque, dessa forma, a terra seria pacificada. Diego Mendez decidiu matá-lo quando a  ocasião se apresentasse, antes que as pessoas que tinham ido prender Sitiel e Caruarayco voltassem, porque depois disso seria mais difícil, pois eram muitos os que estavam com Manco. Assim, buscaram a oportunidade para executar sua intenção infeliz.


A Murúa (2) a tarefa de dizer como tudo aconteceu...

"Certo dia jogavam boliche (3) Manco Ynga y Diego Méndez e, no jogo, Diego Méndez ganhou certa prata de Manco Ynga, que logo foi paga e, tendo jogado por algum tempo, disse que não queria jogar mais, que estava cansado, e mandou que trouxessem um lanche, e quando o trouxeram, Manco Inga disse a Diego Méndez e aos outros: vamos comer, e eles responderam que sim, e se sentaram com muita alegria, e comeram o que haviam trazido, ali, com o Ynga, o qual andava receoso dos espanhóis, porque os via andar cautelosos e portar armas, secretamente. Assim, teve um mal pressentimento de que lhe quisessem fazer alguma traição, pois estava com pouca companhia e, quando acabaram de comer, disse-lhes que fossem repousar, que ele queria se divertir com seus índios um pouco, e eles lhe disseram que logo iriam, e começaram os espanhóis a zombar uns dos outros, com palavras, brincando, para fazer Manco Ynga rir, porque ele gostava quando eles se divertiam. Com isso, foram se entretendo, por algum tempo, até que Manco Ynga, tendo bebido, levantou-se para dar bebida a seu guarda, porque é uso entre eles fazer essa honra a quem gostam muito e deu-lhe de beber. Estando parado, pois tinha lhe dado um copo para que bebesse, voltou-se para tomar outro copo, que segurava uma índia sua, atrás dele, para que Manco Ynga bebesse. Nisso, Diego Méndez, que estava alerta para aproveitar o momento que se lhe oferecesse, como o viu virar as costas para eles, arremeteu-se contra ele com grande fúria e, com uma adaga, deu-lhe uma punhalada por trás, e Manco Ynga caiu no chão, e logo Diego Méndez deu-lhe outras duas, e os índios que ali estavam, todos desarmados, perturbados pelo inesperado, lançaram-se para ajudar Manco Ynga e defendê-lo, para que não o ferissem mais, e os outros espanhóis pegaram suas espadas e se lançaram, também, para livrar Diego Méndez e, apressadamente, correram aos seus alojamentos e selaram seus cavalos, e pegaram seus utensílios, que ali mantinham, carregando tudo o que possuíam, como a pressa o permitiu, tomando o caminho de Cuzco, sem parar em parte alguma, e toda aquela noite caminharam, sem dormir, e como era montanha, não acertaram bem o caminho e andaram desorientados de uma parte a outra, perdidos,  e assim se detiveram."

Segundo Murúa, em seguida, enviaram os capitães e a gente de Manco Inca, que tinham ido prender Caruarayco e Sitiel, dizendo-lhes que Diego Méndez e os outros espanhóis haviam apunhalado o Inca, fugindo para Cuzco, e que deixassem tudo e voltassem para capturar os espanhóis antes que escapassem. Os que foram dizer isso toparam com eles no caminho, que já vinham voltando, trazendo prisioneiros, Caruarayco e Sitiel. Os capitães e as outras pessoas, de cento em cento, os mais valentes e ligeiros se adiantaram, velozmente, e chegaram até onde estava Manco Inca, mortalmente ferido, que ainda não estava morto, e como viram, assim, a seu senhor, com desejo de vingá-lo, deram a volta por onde sabiam que os espanhóis haviam seguido, e no outro dia os alcançaram. Eles haviam entrado em um grande galpão que existia no caminho e estavam descansando, pensando que estavam seguros e a salvo.
Os espanhóis estavam abrigados, mantendo consigo seus cavalos, lá dentro, e os homens de Manco, por não querer atacá-los logo, para que, com o dia, não escapasse nenhum, esconderam-se no monte até que fosse noite fechada. Juntando bastante lenha foram até o galpão e o cercaram e puseram a lenha nas portas para que não pudessem sair e, com palha, atearam fogo. Os espanhóis se levantaram com o barulho e alguns quiseram sair, irrompendo em meio ao fogo, mas foram alvejados e, ali, com seus cavalos, foram queimados.
Então, os homens de Manco voltaram para Vitcos. Murúa conta que, quando soube que todos os espanhóis já estavam mortos, o Inca ficou muito satisfeito, e disse-lhes para não chorar por ele, para que as pessoas da terra não se inquietassem e fizessem um levante, e nomeou por herdeiro a um filho seu, o mais velho, ainda que pequeno, chamado Sayre Topa. E que, enquanto não tivesse idade para reger, os governasse Ato Supa, um capitão "orejón" do Cuzco que estava alí e que era homem de valor, de muita prudência e ânimo para a guerra. Disse-lhes que o obedecessem e que não desamparassem Vilcabamba, porque aquela terra a havia encontrado e fundado com tanto trabalho e suor, que para conquistá-la tantos haviam morrido, defendendo-a com valor.
Assim morreu Manco Inca Yupanqui, filho de Huayna  Capac, e embalsamaram seu corpo segundo seu costume, sem chorar nem dar mostras de tristeza, pelo que ele havia mandado, levando-o a Vilcabamba.


Nas palavras de Titu Cusi Yupanqui, filho de Manco Inca, que também quase foi morto naquele fatídico dia  de traição e morte...

"Depois de haver deixado de fazer guerra, estando quieto com a miséria que acontecia em Viticos, chegaram a deixar entrar sete homens que se encontraram com Gonzalo Pizarro contra o serviço do Rei, e tratava-os muito bem, obsequiando-os muito, e por ganância dessa miséria que no presente eu tenho, se amotinaram e fizeram conspiração, e o mataram traiçoeiramente, e, em mim, deram-me um golpe de lança, e se eu não me deixasse cair alguns penhascos abaixo, também teriam me matado, e depois tivemos paz por alguns dias, onde os índios de Tambo, Amaybamba e Guarocondo levaram de Viticos muitos índios, e por causa disso nós guerreamos com eles." (carta-memoria del Inca Titu Cusi Yupanqui, in Matienzo)

No testemunho de Titu Cusi Yupanqui Inca, filho de Manco Inca, 8 de julho de 1567. (5)

"E disse que pelos maus tratos que fizeram os cristãos a seu pai na época que chegaram à cidade de Cuzco os primeiros conquistadores, como foi Juan Pizarro, que prendeu a seu pai -- que era, então, obedecido como senhor temporal em toda a terra -- sob o pretexto que ele queria rebelar-se com todos os índios do reino, e pediu-lhe por resgate uma cabana* cheia de ouro e prata, e, sendo mentira, para redimir a humilhação, deu-lhe muitas cargas de ouro e prata, e com isso redimiu a humilhação. E então veio Gonzalo Pizarro por corregedor e o levou para a prisão que ele queria rebelar-se de novo, e pediu-lhe outra cabana cheia de ouro e prata e colocou-lhe uma corrente em torno de seu pescoço, e assim o levava pela cidade de Cusco diante de seus súditos, mulheres e filhos, com muitos insultos, e não tendo    [Mango Inga] o que dar para resgatar a humilhação, Hernando Pizarro chegou à cidade de Cuzco como corregedor e ordenou a libertação de seu pai, e depois de soltá-lo pedia-lhe um monte de ouro e prata, dizendo que era por tê-lo solto; e não tendo com que voltar a subornar ao dito Hernando Pizarro e temendo que o mandasse de volta para a cadeia e o molestasse, mandou chamar a todos os capitães e chefes do reino e depois de ter falado com eles se levantou contra o serviço de Sua Majestade na fortaleza de Cuzco, e cada um dos chefes em suas terras. E assim eles mataram muitos cristãos. "(Titu Cusi Yupanqui) (6)

A narração de Titu Cusi Yupanqui sobre tudo o que aconteceu com seu pai, Manco Inca, e a ele mesmo, naqueles fatídicos dias, nos quais os espanhóis "comiam ouro", é a nota triste, perpetuada pelas flautas, que contam, com os sons das montanhas, a tragédia dos Incas - aqueles que, de tão esquecidos, começam a ser considerados uma lenda. As palavras de Tito nos aproximam da verdade e da realidade de tudo o que aconteceu, e isso dói como as punhaladas no corpo do Inca. Não bastava a destruição, era necessário que o Sol fosse extinto.


"E em Pucará, em um alcance que lhe deram, tomaram uma irmã e esposa de seu pai, chamado Coya * Cura Ocllo, a qual levaram a Tambo e alí atiraram nela. E por isso lutou com os espanhóis e matou muitos deles. Depois, retirou-se para a província de Vilcabamba onde, agora, tem o seu lugar principal assento o citado Inca  Titu Cusi Yupanqui. E que, depois, estando ali seu pai retirado, vieram seis espanhóis fugindo do Peru por terem se levantado com Don Diego de Almagro contra o serviço de Sua Majestade, e tendo lhes feito um tratamento muito bom, trataram de matá-lo traiçoeiramente, e assim deram-lhe dezoito golpes com espadas e facões e facas e tesouras; e ao citado Inca Titu Cusi Yupanqui, sendo um menino, lhe deram um golpe de lança nas costelas, e se não se deixasse cair por uns penhascos abaixo, também seria morto. Assim, morreu seu pai dos ferimentos que lhe deram, e os capitães mataram os espanhóis como dito anteriormente, e que por esses agravantes rebelou -se seu pai contra a obediência e domínio real de Sua Majestade. "(Titu Cusi Yupanqui)

"Na época em que os cristãos entraram nessa terra foi preso meu pai, Mango Inca, sob pretexto e acusação de que queria levantar-se com o reino, após a morte de Atagualipa, apenas a fim de que lhes desse uma cabana cheia de ouro e prata. Em prisão lhe fizeram um monte de maus tratos, tanto físicos como em forma de palavras, colocando uma coleira  em seu pescoço, como a um cão, carregando-lhe, de ferro, os pés, e trazendo-o pela coleira de lá para cá, entre seus súditos, interrogando-o a cada hora, mantendo-o na prisão mais de um mês, de onde, pelos maus tratos que, a ele, seus filhos e gente e mulheres, faziam, libertou-se da prisão e veio para Tambo, onde fez confederação com todos os chefes e principais de sua terra ". (7)


"...Foi preso meu pai Mango Inga...
 ... colocando-lhe uma coleira no pescoço, como um cão, e carregando-lhe, de ferro, os pés, e trazendo-o pela coleira, pará lá e pará cá, entre seus súditos... "


1) Lima.
(2) Fernando Montesinos, em Anales del Peru, conta uma outra versão da historia...

"... No ano de 1542 como da batalha de Chupas saíram fugindo oito pessoas, e entraram nos Andes. Um deles era Diego Méndez, irmão do Mestre de Campo Rodrigo  Orgófies. Estes estiveram em companhia do Inga Mango em seu retiro até este momento. Havia mandado que fizessem umas argolas para que jogassem e entretinham-se com isso e a ensinar o Inga como (fazer) correr um cavalo e disparar um arcabúz. Como souberam que Gonzalo Pigarro ia contra o Vice-Rei escreveram a Antonio de Toro que conseguisse dele o perdão para sair de lá, e que o ajudariam no que fosse preciso. Respondeu-lhes, a Diego Mendez e Gomez Pérez, que matassem o Inca, que não só os perdoaria, mas que devolveria a Diego Méndez o Repartimiento de Asángaro que tinha antes. Pedia isso o Antonio de Toro, porque nos Andes tinha uma fazenda de coca que lhe dava cada mita mil pesos, eram três mitas e valiam mais de dez mil pesos por ano, e com a inquietação de Mango estava tudo suspenso e não se fazia nada, e pareceu-lhe que com a morte do Inga tudo voltaria a ser (como antes). Discutem o caso os oito soldados; pareceu-lhes bem a promessa; leram a carta diante de uma negra de Diego Méndez; esta avisou a um "orejón" com quem tratava, este, ao Inca, por três vezes, e não lhe deu crédito parecendo-lhe que a ingratidão não havia de vencer ao bom respeito e fiel amizade. Os castelhanos, vendo que em tanto tempo não havia esperança de que o Inga se convertesse e que a oportunidade de sair daquela solidão era boa, determinaram-se a matar o Inga. Armaram um jogo de argolas (4) na época em que havia enviado sua gente a campear e só ficaram com ele duzentos índios flecheiros dos Andes. Simularam uma diferença de qual argola estava mais perto; o Inga, como fizera outras vezes, aproximou-se do jogo, abaixou-se para medir as argolas; ao baixar-se, puxaram as adagas dos borzeguíns (#) e deram ao gentil muitas punhaladas. Foram depressa até os cavalos do Inga para ir embora, e fugiriam, se um deles, chamado Barba, não tivesse ido até uns jarros de ouro que tinha uma índia amiga do Inga: esta gritou, vendo o trágico acontecimento; acudiram os índios Andes e flecharam e mataram aos oito soldados, tiraram-lhes as cabeças, colocaram-nas junto ao Inga que ainda não havia expirado; em em três dias que viveu, nomeou por seu herdeiro no Império ao filho que tivesse sua mulher e irmã Inio CoUo, e se fosse menina, nomeava como Inga a Saire Topa, seu filho. " (Framentó Instórico. Capitulo 141,)

3) "Bolos" se refere a um jogo que consiste em derrubar, por parte de cada jogador, o maior número possível de "bolos" ou "pinos" lançando uma bola ou peça, geralmente de madeira.

(4) herrón (herrones) - Antigo jogo que consistia em enfiar, em um prego fincado no solo, uns discos de ferro con um furo no centro.

(5) O Inca, Titu Cusi Yupanqui, filho de Manco Inca, assinou em 26 de agosto de 1566 a "capitulação de Acobamba" tratado de paz que estipulou a "vassalagem" de Titu Cusi e instalação de um corregedor em Vilcabamba: Diego Rodriguez de Figueroa. Para apreciar ante o Rei da Espanha os direitos de sucessão de Titu Cusi Yupanqui e seus descendentes, Diego Rodriguez procedeu, em 08 de julho de 1567, a recolher "informação" com os testemunhos do Inca e alguns de seus dignitários e pessoas próximas.
(6) (CAPA INGA TITO CUXI YUPANGUI DOC. 52)

(7) (Carta-Memoria del Inca Titu Cusi Yupanqui al Lic. Matienzo, junio de 1565).



BIBLIOGRAFIA

1) Fray Martín de Murúa, Historia General del Peru.
2) Fernando Montesinos, Anales del Peru.
3) Juan de Matienzo, Gobierno del Peru.
4) Juegos infantiles tradicionales en el Perú. Emilia Romero. Folklore Americano, Lima; Perú.

Para os textos originais em espanhol leia aqui mesmo, no blog:  
http://princesinhadisol.blogspot.com.br/2011/07/manco-inca-juego-de-muerte-en.html